segunda-feira, 13 de junho de 2011

História para Mês Junino

BRINCANDO COM AS ESTRELAS
                                                                 TEXTO: ALMIR MOTA
ILUSTRAÇÕES: SILAS RODRIGUES
 Junho é mês de festa e brincadeira no lugar chamado linha da serra.
Um  lugar tão alto que lá a gente se sente perto das estrelas.
As crianças estão alegres. É sempre assim quando chega o Mês  das festas juninas. Carmen tira do baú o vestido enfeitado para dança a quadrilha.
Seu Joca está limpando a velha sanfona, que é a grande atração nas noites  de fogueira.
E de to limpa e polida, ela fica brilhando.
A sanfona anuncia que a festa começou. Tudo é animado, com muito milho, fogueira e arrasta-pé.
 Hum!.... Que delicia! Bolo de milho, tapioca, pé-de-moleque. Gostosuras feitas por dona rosa e dona Mazé.
Em frente à escola, tem balões coloridos, bandeiras de papel e uma fogueira armada para clarear a noite.
Apenas para uma pessoa a noite não está animada.  Neste ano Miguel quer dança a quadrilha pela primeira vez ele não tem um par.
O menino olhou para o céu. De tanta vontade de brincar quadrilha, desejou que uma estrela descesse e dançasse com ele.
Uma estrela aceitou o convite!  Transformou-se numa linda menina e foi com Miguel dança a quadrilha.
O céu brilhava demais! Quem olhasse para cima, notaria um grande círculo luminoso. É que as estrelas também estavam dançando no espaço.
 Miguel, se pudesse, iria para o céu dança com todas as estelas. Dança até o sol raiar.


Nascimento de João batista

 A noite estava fria. O céu cheinho de estrelas curiosas. Todas olhavam para a casa de Isabel. Queriam ser as primeiras a ver o menino que ia nascer. Os grilos da redondeza organizaram um coral e só se ouvia cri-cri-cri
O mês era junho. O dia 24!
Foi nessa noite, cheia de estrelas e grilos, que João nasceu. Zacarias e sua esposa felicíssimo. Os vizinhos e parentes também estavam alegres. Mas no meio de tanta felicidade, surgiu uma preocupação.
_ Zacarias, disse a Isabel, minha prima Maria não sabe que Joãozinho nasceu. Como avisa-la?
 Não havia telefone naquele tempo. nem telegrama. Nem correio. Então, ascendendo uma fogueira e levantaram um mastro ali perto.
Nossa senhora, que morava muito longe, viu a claridade e adivinhou:
_ garanto que o filho de Isabel nasceu.
Esperou o dia amanhecer. Arrumou uns presentes e montou num camelo. La visita sua prima. La dar-le os parabéns. E sabe de uma coisa? Ainda hoje o povo acende fogueira na noite de São João.

Poemas

Festa Junina
Todos os meses têm importância,
Mas o de junho sempre me anima.
Desde criança esperava com ânsia,
Para participar de uma festa junina!

Batata doce, milho cozido, quentão,
Bolo de milho, quebra-queixo e cural.
Não sei o que é melhor, tudo é “bão”,
Como muito disso e nada faz mal!

Pamonha, pipoca, bolo de aipim,
Salsichão, maçã do amor e canjica.
É comida que não tem mais fim.
Diversão de gente pobre e gente rica!

Morteiro, bomba, estalinho, rojão,
Fogueira, foguete e balão japonês.
A bela canção do “Cai Cai Balão”
Varava a madrugada até às três!

Só não pode esquecer da proibição:
De jeito nenhum pode soltar balão!
Casamento na roça, noiva no altar.
A quadrilha está pronta pra desfilar!
Adoro festa junina
Meu nome é Carolina
Adoro festa junina
Comer pipoca e tomar quentão
É a maior curtição
Dança quadrilha
Escolher meu par
É uma maravilha
Da até pra namorar

Com minha saia rodada
Eu danço por todo salão
 Ao som da minha musica preferida
Que todos cantam é um baião!

Como a festa é animada
Eu vou até de madrugada
O ruim é quando acaba
E chegada a hora da despedida

Mas fico feliz só em pensar
Ano que vem tem mais
E tudo de novo recomeça



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário